COLEÇÃO CINEMA UNDERGROUND - 4 DVDs

Código: M622L9MU6 Marca:
R$ 159,60
até 2x de R$ 79,80 sem juros
ou R$ 154,81 via depósito
Comprar Estoque: Disponível
    • 1x de R$ 159,60 sem juros
    • 2x de R$ 79,80 sem juros
    • 3x de R$ 56,41
    • 4x de R$ 42,93
    • 5x de R$ 34,84
    • 6x de R$ 29,45
    • 7x de R$ 25,61
    • 8x de R$ 22,73
    • 9x de R$ 20,49
    • 10x de R$ 18,70
    • 11x de R$ 17,24
    • 12x de R$ 16,02
    • 13x de R$ 15,00
    • 14x de R$ 14,12
    • 15x de R$ 13,36
    • 16x de R$ 12,70
    • 17x de R$ 12,11
    • 18x de R$ 11,59
  • R$ 159,60 Boleto Bancário
  • R$ 154,81 Depósito Bancário
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

SINOPSE

Cut - Up Filmes - Os lendários Antony Balch (1938 – 1980) e William Burroughs (1914-1997), vão ao extremo da experimentação visual, utilizando o método “Cult – Up” – técnica de colagem dadaísta, desenvolvida pelo escritor e pintor Inglês Bryon Gysin (1916-1986). Tal método que acolhe a colaboração do caos e do acaso resultou em um dos mais interessantes filmes underground dos anos 60. Como complemento, este DVD, inédito no Brasil, inclui uma compilação de outras obras experimentais destes dois grandes representantes da Beat generation, um dos últimos movimentos de vanguarda do século XX. 

Antologia em Super 8 - DEREK JARMAN (1942-19941) foi pintor, cenógrafo, escritor, jardineiro e cineasta. Nesta última e mais intensa atividade, pôde incluir todas as suas outras habilidades, realizando filmes radicalmente líricos. Dentre os seus temas preferidos - presentes desde o primeiro, Studio Bankside (1970), até seu último filme, Blue (1993) -, encontram-se o processo criativo e o papel do artista como catalisador de impulsos proibidos, o poder perverso da mídia de massa, a reinterpretacão de mitos históricos, o questionamento de qualquer moral que se pretenda absoluta, a desconstrução do cenário ao seu redor e a homossexualidade. Jarman, o menos literal dos cineastas, possuía uma sensibilidade de vanguarda na tradição de realizadores como Jean Cocteau, Kenneth Anger e Federico Fellini. Antes de seu primeiro longa-metragem, Derek Jarman realizou diversas experiências em super 8, que a Magnus Opus lança agora em DVD, pela primeira vez no Brasil, inaugurando uma série dedicada à obra deste extraordinário artista. 

Velvet Underground e Vinyl - Andy warhol (1928 – 1987), pai da pop-art, inundou o mundo nos anos 60 com suas imagens, e alcançou status de uma grande celebridade ao transformar uma lata de sopa em obra de arte. Com sua reputação de artista plástico já consolidada, andy lançou-se à conquista do cinema, dirigindo experimentos visuais memoráveis. Entre 1963 e 1967, registrou em sua bitola de 16 mm. Milhares de metros de filmes insólitos, subversivos, por vezes artísticos, mas sempre curiosos e de interessante teor documental, captando imagens de um mundo habitado por intelectuais, músicos, pintores, atrizes, modelos e escritores do underground cultural norte-americano. Deste caldeirão surgiram os “superstars” cuja individualidade a lente de warhol, conseguiu capturar elevando-os ao status de estrelas de uma hollywood alternativa e decadente. Ali surgiram suas crias, os seus “ídolos de plásticos”, como ele gostava de os chamar: vera cruise, candy darling, debbie dropout, rita rotten, ingrid superstar, the sugar plum fairy, ultra violet, viva! Holly woodlawn, jack smith, mario montez, gerardi malanga, joe dAllesandro, edie sedgwick e paul morrisey. Bem vindo ao planeta warhol. Neste primeiro volume, incluem-se dois filmes extraídos deste adorável submundo: viny! (1965, 63 min.), é a primeira adaptação cinematográfica, radicalmente livre do romance laranja mecânica (a clockwork orange), de anthony burgess. Nele, o personagem principal, alex delarge (interpretado por gerard malanga), dança freneticamente ao som de the kinks e martha and the vandelas, passando depois por uma sessão de tortura com verdadeiros peritos em sadomasoquismo. Warhol afirmou em entrevista que as imagens de tortura sexual presentes no fundo da cena são reais, como também a participação “cool” da bela edie sedgwick, sentada, dançando e vendo as cenas com indiferença, já que ela não sabia que estava sendo filmada. Em the velvet underground e nico (1967, 63min.), a vocalista nico senta-se num banco enquanto os músicos formam um semicírculo atrás dela, executando números musicais ensurdecedor que culminam numa intervenção policial motivada por queixas da vizinhança do estúdio factory. Um momento histórico do rock e do cinema underground. 

My Hustler / I a Man - Andy Warhol (1928 – 1987), pai da Pop-Art, inundou o mundo nos anos 60 com suas imagens, alçando status de uma grande celebridade ao transformar uma lata de sopa em obra de arte. Com sua reputação de artista plástico já consolidada, Andy lançou-se à conquista do cinema, dirigindo experimentos visuais memoráveis. Entre 1963 e 1967, registrou em sua bitola de 16 mm. Milhares de metros de filmes insólitos, subversivos, por vezes artísticos, mas sempre curiosos e de interessante teor documental, captando imagens de um mundo habitado por intelectuais, músicos, pintores, atrizes, modelos e escritores do underground cultural norte-americano. Deste caldeirão surgiram os “superstars” cuja individualidade a lente de Warhol, conseguiu capturar elevando-os ao status de estrelas de uma Hollywood alternativa e decadente. Ali surgiram suas crias, os seus “ídolos de plásticos”, como ele gostava de os chamar: Vera Cruise, candy darling, debbie dropout, rita rotten, ingrid superstar, the sugar plum fairy, ultra violet, viva! Holly woodlawn, jack smith, mario montez, gerardi malanga, Joe Dallesandro, Edie Sedgwick e Paul Morrisey. Bem vindo ao planeta warhol. Neste segundo volume, incluem-se dois filmes extraídos deste adorável submundo: my hustler (1965, 63 min.) Foi filmado no litoral de fire island e, segundo warhol, “é a história de um velho gay, que leva um garoto de programa para passar o fim de semana em fire island, enquanto os vizinhos tentam de todas formas colocá-los para fora”. Neste antimelodrama, vemos um implacável apetite narcisista e a sua conseqüente destruição. I a man (1967, 93min.), foi o primeiro filme heterossexual de warhol. A história é dividida em oito episódios, mesmo número de parceiras que tom baker se relaciona, (Cynthia May, Stephanie graves, Ingrid superstar, Nico, ultra violet, ivy nicholson, valerie solanas e bettina coffin). Foi em i a man, que warhol usou com perfeição a técnica “strobe cut”, muito usada no cinema underground americano dos anos 70 e á exaustão em videoclipes, resultando em um filme de aspecto visual e sonoro instigante e inovador. . 
 
EXTRAS
Conteúdo: Curta That-Fal'N (1978 - EUA - 9min. - Dir.: Stan Brakhage), O Método "cut-up" por willians Burroughs, Biografia

DETALHES DO PRODUTO

    • Elenco: BURROUGHS, WILLIAM S. 
    • Elenco: GYSIN, BRION
    • Elenco: JACOBS, DAVID
    • Código: BOX 031
      Título Original: CUT-UP FILMES /
    • ANTOLOGIA EM SUPER 8 (DVD
    • DUPLO) / THE VELVET
    • UNDERGROUND & VINYL ( DVD
    • SUPLO) / MY HUSTLER & I A MAN (
    • DVD DUPLO)
    • Formato:  DVD
    • Origem:  NACIONAL
    • Distribuidora: CONTINENTAL
    • Legendas: PORTUGUÊS,ESPANHOL
    • Idioma: INGLÊS
    • Ano de Produção:  1934 / 1971 - 1994
    • / 1966 / 1965 - 1967
    • País de Produção: EUA / ING
    • Código de Barras:  7896748221301
    • Região:  All
    • Quantidade de Discos:  4
    • Sistema de Cores: COLORIDO / 
    • PRETO E BRANCO 
    • Formato da Tela: WIDESCREEN 16:9 /
    • FULLSCREEN 4:3
    • Sistema:  NTSC
    • Duração: 527 minutos

Produtos relacionados

R$ 159,60
até 2x de R$ 79,80 sem juros
ou R$ 154,81 via depósito
Comprar Estoque: Disponível
Pague com
  • Boleto Bancário
  • Depósito Bancário
Selos
  • Site Seguro

M.D.V.R COMERCIO E DISTRIBUIÇÃO DE FILMES LTDA EPP - CNPJ: 11.396.247/0001-95 © Todos os direitos reservados. 2017